Após muito diálogo e luta da população da Jibóia atividade mineradora é finalizada

nº 1683 141 05/12/2017

Após muito diálogo e luta da população da Jibóia atividade mineradora é finalizada

Uma árdua luta do povo de Tremedal da região Jibóia/Marreca parece ter chegado ao fim com a desativação de extração de minério neste povoado.

O embate iniciou-se no início do ano com a instalação da Mineradora no leito do riacho da capivara e próximo à represa que o mesmo abastece, que é fonte de água de todo o povoado. (Reveja notícia)

Preocupados com a sua água, e tendo conhecimento de outras represas na região que ficaram poluídas após ações de outras mineradoras, a população da região ficou alerta e procurou as autoridades, se posicionando contra a atividade mineradora no local. Com a intervenção do INEMA (Instituto de Meio Ambiente), a mineradora se comprometeu com a população em cumprir rigorosamente todos os pré-requisitos, como tanque de contenção, reflorestamento, estabelecidos pelo órgão fiscalizador para que a atividade pudesse ser exercida sem prejuízos ao meio ambiente e à água.

Daí em diante se desenrolou uma grande decepção e luta dos moradores da região, que já não conta com grandes benefícios públicos, além da represa de água potável. O que se viu foi o descumprimento dos acordos feitos com o INEMA e com a população, resultando em multas, suspensões das atividades mineradoras, audiências públicas, reuniões de representantes da população com representantes do município, intervenção do Ministério Público, da Pastoral da Terra e protestos, chegando a momentos tensos com a presença da Polícia Militar no local. (Reveja notícia)

A última ação popular foi uma Romaria da Igreja Católica, no final de setembro, que reuniu centenas de pessoas com o tema sobre a preservação do meio ambiente, tecendo duras críticas aos danos causados pelas mineradoras não só no local em questão, mas em vários outros locais do município e da região, dando ainda mais expressão ao caso e pressionando as autoridades. (Reveja notícia)

Dias após o maquinário foi retirado do local. Sem qualquer comunicação de representantes da mineradora, do INEMA ou de outros órgãos públicos que estavam acompanhando a situação, tudo indica que a questão tenha chegado ao fim. Mesmo que a represa possa receber alguns dejetos devido à atividade realizada pela mineradora durante esse tempo, a população fica mais tranquila pois, caso a extração continuasse sem os devidos cuidados, poderiam perder a sua fonte de água potável.

Renato Abreu